História de um artista Corinthiano

Rebolo nasceu em São Paulo, em 1902, quinto filho de uma família de imigrantes espanhóis. Antes de dedicar-se à pintura artística, realizou pinturas decorativas em residências e igrejas e foi jogador de futebol – entre outros clubes, jogou no Corinthians, pelo qual foi campeão em 1922 e para o qual, anos depois, desenhou o brasão definitivo.

Pequeno empresário, dono de uma empresa de decoração, instalou-se, em 1933, em uma sala no Palacete Santa Helena, na Praça da Sé. Ali dá início à sua carreira de pintor e desenhista. Dois anos depois, a sala-ateliê passa a ser dividida com o pintor Mário Zanini e o espaço começa a ser freqüentado por novos artistas como Fúlvio Pennacchi, Aldo Bonadei, Clóvis Graciano, Humberto Rosa, Manuel Martins e Alfredo Rizzotti – que alugam uma segunda sala no mesmo prédio – e, posteriormente, Alfredo Volpi. Formava-se o Grupo Santa Helena.

Rebolo participaria ainda do grupo Família Artística Paulista e da criação do Museu de Arte Moderna de São Paulo e do Sindicato de Artistas Plásticos do Estado de São Paulo.

Ao longo de sua carreira de 46 anos – Rebolo faleceu em 1980 – o artista realizou inúmeras exposições individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Em 2002, quando da realização da exposição Rebolo – 100 anos, mostra comemorativa do seu centenário, a curadora Lisbeth Rebollo Gonçalves, professora de história da arte e filha do artista, identificou quatro fases na sua obra.

A primeira, que vai de 1932 a 1947, caracteriza-se pela pintura de paisagens feitas ao ar livre nos arredores de São Paulo, naturezas-mortas, composições com figuras e personagens, retratos e auto-retratos. Na segunda fase, de 1947 a 1960, as paisagens são ima-ginárias e há o predomínio dos elementos formais. A pintura é mais geométrica e racional. É nessa época, em 1955, que recebe o 1o prêmio do Salão de Arte Moderna, de Viagem ao Exterior, passando dois anos na Europa.

A terceira fase, de 1960 ao começo dos anos 1970, caracteriza-se pela pesquisa de novos materiais – gravuras em madeira, pedra e metal – novas técnicas e texturas: utiliza a espátula para aplicar a tinta e obter relevos e volumes ou constrói a obra a partir da retirada de lascas da pintura anteriormente feita. Na quarta fase, na década de 1970, ele retorna ao uso do pincel, ao colorido luminoso, ao lirismo poético.

“No dia em que não pinto, não vivo; é um dia perdido!”, disse Rebolo.

O menino e a carroça

O menino caminhava pelas ruas esburacadas do velho bairro do Morumbi, onde morava, numa chácara, em companhia de seus pais, imigrantes espanhóis que vieram ao Brasil em busca de um futuro melhor, mas viviam aqui a mesma miséria que deixaram do outro lado do Atlântico.

A preocupação tomava conta de sua mente, mas não a ponto de desorientá-lo. Na noite anterior, surpreendera os pais numa conversa sombria em que tentavam buscar uma solução para a crise financeira que, a esta altura, chegara a um ponto em que não havia dinheiro nem mais para atender as necessidades básicas da família.

Sentindo-se já um adulto, do alto de seus doze anos, o guri saiu de casa, sem avisar os pais e foi a busca de trabalho, qualquer coisa que os ajudasse a sair dessa situação aflitiva.

Nisto, passou por ele uma carroça, levando uma carga de tijolos e seus olhos brilharam:

«Vou seguir esta carroça. Onde ela parar, com certeza haverá trabalho.»

Com efeito, pouco mais adiante, o veículo parou diante de uma construção quase terminada, já em fase de acabamento.

«Que é que você sabe fazer?» perguntou-lhe o empreiteiro.

«Tudo!», respondeu ele com resolução.

Dava para perceber, à primeira vista que, exceto a boa vontade, a resposta era um exagero sem limites, mas o homem notou nele uma disposição que o impressionou. Deu-lhe uma lata de tinta e um pincel, experimentando sua habilidade na pintura de portas e venezianas.

Foi a primeira obra de Francisco Rebolo Gonzales, que mais tarde viria a tornar-se um referencial importante da pintura brasileira, um dos criadores do Grupo Santa Helena e incentivador de vários outros nomes, como Alfredo Volpi e Mário Zanini.

O talento do «baixinho»

Francisco Rebolo Gonzales nasceu em São Paulo no ano de 1902 e faleceu na mesma cidade em 1980. Ainda criança, enquanto cursava o primário, saia à cata de alguns «bicos», obtendo trocados, o suficiente para ajudá-lo nas despesas com os estudos.

Tinha 15 anos quando, após as primeiras experiências com a pintura de paredes, conseguiu um emprego efetivo como aprendiz de uma oficina de decoração, desenvolvendo o talento na ornamentação de igrejas e também de casas, onde era comum a pintura rococó, cheia de floreados e exageros.

Não acreditava, porém, que essa fosse sua arte e, na primeira oportunidade que surgiu, abraçou a carreira de jogador de futebol, entrando para o time do Corinthians, onde chegou a ganhar o Campeonado do Centenário da Independência do Brasil, em 1922.

Com 1,62m de altura, Rebolo foi um dos «baixinhos» que fizeram ou fazem furor no futebol, surgindo sempre de surpresa e desnorteando seus adversários com a rapidez dos movimentos e com a facilidade em se desvencilhar da marcação.

Como o futebol de antigamente, no peito e na raça, não dava para as despesas, o tempo livre era aproveitado para prosseguir no trabalho de decoração, que nunca abandonou, e que lhe foi o esteio, quando, em 1934, desligou-se do esporte para dedicar-se à pintura, montando um escritório na rua de São Bento.

O Grupo Santa Helena

Bem mais tarde, Rebolo associou-se a Alfredo Volpi, como ele, pintor de paredes, e alugou uma sala no Palacete Santa Helena, ao lado da Catedral de São Paulo, esta ainda em construção, na Praça da Sé.

Chamá-lo de palacete era um exagero. O prédio, de poucos andares, construído antes que o cimento armado tivesse chegado ao Brasil, abrigava um luxuoso cine-teatro, com palco, frisas camarotes e uma fina decoração que incluía esculturas e até um afresco pintado na abóboda central.

Mas, de há muito que aquele pedaço da cidade se deteriorara. A arte paulistana mudou-se para a Cinelândia, na esquina da Avenida Ipiranga e Avenida São João, levando também para o outro lado do Vale do Anhangabaú os escritórios e as lojas mais chiques. O Cine Santa Helena passou a exibir filmes de segunda categoria e as salas do prédio, sem interessados, passaram a ser alugadas pelo preço de alguns tostões.

Para os artistas plásticos incipientes, juntou-se a fome à vontade de comer. As salas eram amplas, em lugar silencioso, e distantes apenas um quarteirão da Escola Paulista de Belas Artes, permitindo um contato com alunos mais adiantados, e até com professores.

Entre os mestres, estava Paulo Rossi Osir, com formação totalmente européia, o qual não só ajudou a desenvolver o Grupo Santa Helena, como também montou um ateliê de decoração, o Osirarte, onde dava trabalho aos artistas participantes desse núcleo.

O Grupo Santa Helena, de que Rebolo era a peça principal, teve grande importância no desenvolvimento das artes, inclusive com a organização da Família Artística Paulista, que realizou uma série de coletivas, fazendo oposição aberta aos Salões de Maio, estes realizados por artistas melhor situados na vida, os quais se recusavam a abrir espaço para os artistas «operários».

Um reconhecimento
que demora a chegar

Em 1944, Rebolo arrisca-se a fazer sua primeira individual na Livraria Brasiliense, mas, a despeito do  sucesso, nesta e em outras exposições, somente dez anos após, em 1954, é que pode ser efetivamente notado, quando ganhou um prêmio de viagem à Europa, no 3º Salão Nacional de Arte Moderna.

Foi a grande oportunidade, bem aproveitada, para aperfeiçoamento de sua arte, numa turnê, em companhia da família, percorrendo Itália, Espanha, Alemanha, França, Áustria e Holanda, além de participar de um curso de restauração no Museu do Vaticano.

Sem perder a simplicidade, o Rebolo que retorna ao Brasil é outro, bem mais amadurecido. Sua pintura continua de linhas planas, formas reduzidas ao mínimo exigido na arte figurativa, mas nota-se uma técnica bem mais desenvolvida e menos ingênua.

Daí em diante, registra-se uma sucessão de exposições, de entrevistas e de encomendas. É a consagração, com a qual jamais sonhara mas que, ainda que tardia, chegou à sua vida.

Morumbi, o seu
pedaço de terra

Ganhando não apenas status, como também uma condição financeira mais sólida, Rebolo pôde realizar um dos sonhos de sua vida. Construiu uma confortável casa no bairro do Morumbi, a cinqüenta metros da antiga chácara em que passou sua infância de privações.

Foi lá que veio a falecer, aos 79 anos de idade, no dia 10 de julho de 1980. A antiga vila de chacareiros já se tornara então um dos mais ricos e populosos bairros de São Paulo, o que não lhe tolheu os costumes do menino pobre, que ali nasceu e passou sua infância.

Sua filha, Lisbete Rute Rebolo Gonçalves, doutora em Museologia pela Universidade de São Paulo, tem se incumbido de preservar-lhe a memória. Foi diretora do Museu de Arte Contemporânea e Presidente da ABCA (Associação Brasileira de Críticos de Arte). Atualmente, encarrega-se de preparar as comemorações do Centenário de Rebolo, que devem realizar-se em 2002.

A garupa da Galatéia

Francisco Rebolo Gonzales, ex-jogador do Corinthians, meio espanhol, meio caboclo, em muito faz lembrar outro espanhol e corintiano, o folclórico ex-presidente do clube, Vicente Mateus. Como ele, passou a vida criando histórias em torno de si mesmo, algumas verdadeiras, descontado o exagero; outras criadas por ele próprio, lançando uma névoa folclórica em torno de sua biografia.

Certa vez (ele jurava ser verdade), Rebolo foi, com sua moto Galatéia, buscar a pintora Djanira, que se achava em algum ponto de São Paulo, para levá-la na garupa até a casa do Morumbi.

Já próximos da residência, desabou um enorme temporal e as ruas, de terra batida, tornaram-se quase intransitáveis. Em um determinado ponto, Rebolo pediu a Djanira que saltasse por alguns momentos e ele mesmo, atolado no barro, empurrou o veículo pelo meio de um charco.

Vencido o obstáculo, subiu de novo na moto e seguiu viagem até sua casa, onde a esposa o recebeu com o maior espanto: «Mas, e a Djanira, onde está?»

Djanira havia ficado para trás dentro do charco e teve de completar a viagem a pé, no meio da lama.

(Texto de Paulo Victorino)

Para ver mais obras clique aqui

Fonte do texto: http://www.fapesp.br/publicacoes/rebolo/

http://www.pitoresco.com.br/brasil/rebolo/rebolo.htm


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 25 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: